Guerra à guerra: apelo à paz no conflito entre a Rússia e Ucrânia

A LÚCIDA ANÁLISE DA HISTORIADORA RAQUEL VARELA – Viril não ir à guerra, é desertar; corajoso é fazer greves que doam a quem faz a guerra. Nobre é, como na II Guerra, parar fábricas e transportes; corajoso é lutar por saúde e educação contra orçamento militar. É aí que reside o humanismo radical.

Ler mais

“Os Jogadores de Cartas”, de Cézanne: a sobriedade no carteado

ANÁLISE DOS QUADROS DO MESTRE IMPRESSIONISTA – “Os jogadores de cartas” não compõem um quadro único, mas uma série de cinco pinturas de Paul Cézanne que simplificam as imagens e as representações do corpo humano, numa fase pós-impressionista que viria a abrir o caminho para a desconstrução do século XX.

Ler mais

O papel dos bancos no golpe de 2016 e apoio ao regime fascista

LUCRO OBTIDO NA CONSPIRAÇÃO DO IMPEACHMENT – Você derrubaria um governo legítimo, submeteria toda uma população ao retorno à linha da miséria, provocaria milhões de desempregados, destruiria as florestas e os biomas do país e ainda geraria ódio e sangue nas ruas para que o seu lucro aumentasse 100%?

Ler mais

Consumismo no Natal: o planeta que nos sustenta não aguenta

CELULAR PARA CÃES E IMPRESSORA DE PANQUECAS – Todo mundo quer tudo e isso não pode dar certo. A promessa do crescimento econômico é que os pobres poderão viver como ricos; e os ricos, como oligarcas. E assim vamos detonando os limites físicos do planeta que nos sustenta. Problema: isso a Terra não aguenta.

Ler mais

Golpe rebaixa Brasil de novo à condição de República das Bananas

MISSÃO CUMPRIDA: MACACO NO SEU GALHO

O Brasil como destacado player no pesado jogo da geopolítica internacional? Intolerável para potências como os EUA!

Daí a armação do golpe aplicado ao País por agentes externos e internos para colocar o macaco de novo no seu galho.

Ler mais

Justiceiros que nos condenam à escuridão do fundo do poço

BURRICE ORGULHOSA, PROBLEMA NACIONAL

Não podemos reclamar, estamos escolhendo livremente o nosso destino. Enganados? Pode ser, mas porque queremos ser enganados.

Perdoa-se a idiotia, um problema mental. Não a burrice que se vangloria de ser burra e se faz de desentendida para não ser esclarecida.

Ler mais